Um Conto de Sr. MaraBô

http://pensamentovoa.files.wordpress.com/2012/09/mago.jpg?w=594&h=766

Exu Marabô está em terra. Os poucos filhos que acompanham aquele terreiro vibram com sua presença. Na assistência algumas pessoas ansiosas aguardam para serem atendidas. O Exu ri, dança, bebe desenfreadamente. Atende uma filha da casa recém-casada. Fala para a filha tomar cuidado com o marido, pois ele vai traí-la em breve. A moça desespera-se. Ele então passa uma longa lista para realizar o trabalho salvador. Sabe que já plantou a semente irreversível da desconfiança no jovem casal. Na assistência um pequeno empresário aguarda atendimento.

O Exu diz que a firma não falirá, para isso precisa de vultuosa quantia em dinheiro para trabalho urgente. Chega a vez de uma médium, filha de outro terreiro, que visita pela primeira vez a casa. Mais uma vez o compadre não se faz de rogado. Diz para a pequena sair do terreiro que freqüenta, pois segundo ele a mãe de santo não entende nada sobre Umbanda. E assim ele vai plantando a discórdia, a desunião, a dor. Sempre que pode humilha publicamente os filhos da casa. Os dias passam sem novidades. O que ninguém ali imagina é que por trás daquela entidade que se diz chamar Marabô, está escondido um enorme Kiumba. Aproveitando-se do fato do tal pai de santo ser pessoa leiga, gananciosa e, totalmente despreparado ele domina o mental do incauto médium.

Diverte-se com a angústia dos outros. Sempre que pode põe o pai de santo em enrascadas (cheques sem fundos, golpes que são descobertos constantemente, brigas e desunião em família). E o pai de santo não tem escrúpulos algum em usar o nome de um grande e respeitado Exu de Lei. Ao contrário, fica feliz em saber que aos poucos vai minando a credibilidade do verdadeiro Marabô. O Kiumba raciocina que o dia em que as trapalhadas colocarem tudo a perder ele simplesmente abandonará o falso pai de santo à própria sorte. Não será o primeiro nem o último que ele abandonará.

Afinal pensa o Kiumba, não fora o falso pai de santo que médium ainda novo, desenvolvendo, resolveu mistificar para dar uma abreviada no processo mediúnico de desenvolvimento? Não fora também por conta própria que o médium abandonara o terreiro de sua mãe de santo, sem ter preparo algum? Sem falar que enquanto esteve lá, desrespeitava os ensinamentos da casa, zombava dos irmãos de santo, dava golpes em tantos médiuns que muitos pediram até sua expulsão da casa? Pois então fora ele mesmo que atraiu o Kiumba e sendo assim essa sociedade duraria até quando fosse possível.

O ser do umbral ganhando energia negativa, achincalhando Marabô, e o falso pai de santo ganhando dinheiro. O Kiumba também aproveitava para trazer em terra seus falangeiros, que se aproveitam dos médiuns titubeantes da casa. Hoje é dia de gira, no atabaque o ogã já está devidamente bêbado e sob influência dos asseclas do Kiumba. As filhas e filhos da casa cegos em sua fé e sob forte energia maléfica, são capazes de aceitar qualquer loucura ali realizadas.
O falso Marabô está feliz, já olhou a assistência antes de incorporar. Notou algumas pessoas que não lhe despertaram interesse. Algumas mulheres velhas e sem dinheiro, um homem que também não traz dinheiro algum. Vai se divertir com eles. Pronto já está em terra! Atende a assistência como de costume, diverte-se com as angústias, os medos, as dores daquelas pobres almas.

Chega a vez do homem que estava na assistência, ele adentra de maneira lenta. O Kiumba não lhe dá a mínima atenção. Um erro fatal. Pois assim que o homem fica frente a frente com o ser do umbral algo inusitado acontece: o homem incorpora, solta uma gargalhada jovial e desafiadora. Alguns médiuns do terreiro que mistificavam ou recebiam alguns asseclas do Kiumba “desincorporam” convenientemente. O ogã de tão bêbado, acaba por cair ao lado do tambor. A assistência não entende o que se passa. O Kiumba entende, mas para ele é tarde demais. Por estar incorporado ele não tem tanta desenvoltura como gostaria nesse momento crucial. Está só, já que os covardes que o seguiam fugiram dali.
O verdadeiro Marabô está ali diante dele e avança em sua direção. No congá as velas começam a queimar a cortina que protege o altar. Na cafua a pinga aquecida pelas velas também se incendeia. A assistência percebe que algo muito errado está acontecendo e fogem todos. Antes o verdadeiro Marabô se vira para eles e mostra o quanto foram tolos em se deixar enganar.

Fala que devem procurar ajuda, mas em terreiros sérios aonde se pratica a caridade, o amor e a união. Mostra o quanto foram usados. O Kiumba protesta, mas é inútil, a máscara já caiu. Marabô não está só, sua falange e muitos Exus de Lei estão adentrando no falso terreiro. O Kiumba é capturado e levado para o Reino de Exu, onde pagará caro pela insolência. O falso pai de santo está entregue a própria sorte. As chamas consomem o terreiro velozmente. Ao chegar as primeiras viaturas do Corpo de Bombeiro o oficial de plantão presencia uma cena que jamais esquecerá: no meio das chamas o pai de santo é “tragado” por um buraco negro, e some diante dos olhos do atônito bombeiro. Uma risada se faz ouvir. 

Marabô gargalha satisfeito do outro lado. Apesar das chamas o bombeiro sente um frio que lhe percorre a espinha. O terreiro vira cinza e não se acham vestígios do corpo do pai de santo. Justiça foi feita. Saravá Senhor Marabô!!!

Cassio Ribeiro

A ameaça e a tortura psicológica dentro dos Terreiros

Prezados irmãos de senda.

Eu acho inconcebível o número de e-mails que eu recebo mencionando a ameaça recebida por parte de mentores e orixás dentro de terreiros, baseado nesses fatos, decido escrever uma síntese de tudo o que envolve esse mecanismo de ameaças dentro de terreiros.

Primeiramente é importante salientar que além de ameaças, presencio torturas psicológicas, como se a pessoa sair do centro, ela perderá guarda dos filhos, emprego e até a pessoa amada, antes de mais nada, gostaria de ressaltar que isso se configura CRIME, ou seja, em nossa sociedade, qualquer ameaça é passível de CRIME segundo a nossa instituição penal (O que considero relativamente falida) mas eventualmente funciona.

Com isso, subentende-se que um mentor, que se diz de Luz, sair lá de Aruanda ou de qualquer outro lugar da qual é oriundo e ameaçar o médium por não realizar certas VONTADES dentro do centro é no mínimo ridículo,  recebi um caso de uma irmã que queria terminar o seu relacionamento, seu namorado supostamente recebeu o exu no meio de um bar onde estavam conversando e disse a ela que se terminasse com ele, as coisas na vida dela desandariam de forma intensa.

É onde eu me pergunto: Até onde vai a ignorância a respeito da religião.

E às vezes, o cidadão faz isso de forma inconsciente, ele mistura o animismo, seu estado emocional e com isso, ou acha que está recebendo seu próprio mentor e na verdade não há nada ali, ou ele entra em uma sintonia pútrida, dando vazão a outros espíritos se aproveitarem da situação ou é PURO FINGIMENTO, em nenhum dos três fatores é algo honorável ou até mesmo aceitável, é simplesmente hediondo.

Por isso vivo enfatizando, a maior arma que vocês possuem é o conhecimento, com estudos, uma mente analítica vocês deixam de sofrer certas mazelas provenientes nos cultos, com o estudo, com o aprendizado, você se previne de certas influências lamentáveis que ocorre dentro e fora do centro com a utilização ignorante da mediunidade. Por isso, sou chato e categórico, ESTUDEM!

Recentemente recebi um e-mail de uma irmã que ia pedir licença do centro e na gira de exu, ela recebeu tantas ameaças que ficou com medo de sair, preferiu se preocupar mais com as represálias dentro do terreiro a seus problemas pessoais fora dele, com isso, o médium permanece insatisfeito na corrente prejudicando toda a firmeza do lugar.

ESPÍRITOS DE LUZ não ameaçam, se um dia forem ameaçados, dê as costas e vão embora, ali não tem mentor nenhum, tem o animismo do sacerdote ou um guimba bem do maldito dirigindo o lugar, não existe tortura psicológica, o LIVRE ARBÍTRIO foi dado para todos os seres humanos que nem DEUS interfere.

Essa metodologia de sair do centro vai apanhar do Orixá, vai tomar “PEIA” como costumam dizer é retrógrado demais, inadmissível, um espírito de Luz nunca vai interferir no seu Livre Arbítrio, ele vai te orientar, vai te avisar de possíveis circunstâncias indesejadas durante o novo caminho, mas ameaçar? Pelo amor né? Estamos em pleno 2014 e ainda existem sacerdotes que usam a metodologia do medo para adquirir respeito?

Não confundam a orientação, aquilo que temos desde a infância com a vovó, de se você ir por esse caminho, você PODE VIR a se machucar com, SE VOCÊ SAIR DO CENTRO, VAI PERDER O EMPREGO. Orientação é uma coisa, ameaça é outra e é totalmente diferente, assim como a tortura psicológica, se não fizer vou te derrubar, vou tirar seu emprego, repito, ou é um espírito do mais baixo patamar vibratório ou é o próprio médium em uma famosa sessão anímica.

Meus sinceros votos de paz e luz a todos.

Neófito da Luz.

Exu, o Escravo do Orixá?

 

Saudações Fraternais, irmãos de senda.

Hoje venho escrever sobre um fato muito mencionado em terreiros de nação e as famosas Umbandas Traçadas, o Exu ser o escravo do Santo, ou do Orixá como muitos dizem.

Mais uma vez gostaria de ressaltar que eu não sou adepto ao antropomorfismo, acredito que Orixá é um desprendimento do Divino, nesta mesma filosofia, entra o estudo de anjos, que todos possuem nomes como Miguel (Igual a Deus), Gabriel (Mensageiro de Deus),  Rafael (Companheiro de Deus), a partícula EL, ELI em hebraico significa Deus, o prefixo é a “qualidade” ou “definição da função” do Anjo.  O que também considero serem “qualidades” de Deus.

Tudo pra mim é desprendimento da Vibração Universal, assim como também somos parte desse desprendimento, Fomos Feitos à Imagem e Semelhança, nesse preambulo, acho inconcebível uma vibração, no caso, a vibração Exu ser ESCRAVA de outra vibração, que é a vibração dos Orixás.

Os exus que conhecemos, Tranca-Ruas, Marabô, Meia-Noite, entre outros são guias que trabalham sob a vibração Exu, que já tem um post específico para isso no blog, assim como existem caboclos que atuam sob a égide de Oxóssi, Ogum e assim por diante.

Não existe escravidão e servidão no Plano Espiritual, existe cooperação, existe união de energias, um exu pode trabalhar com outro Exu, um caboclo também pode vir na esquerda, dependendo      do patamar vibratório e da necessidade do mesmo.

Orixá não tem escravo, Orixá é energia, é vibração e tem todo um exército de prontidão e competente para trabalhar sob seus auspícios, e é claro que essa Vibração existe os seus representantes puros, que são os espíritos que vem como orixá na Umbanda, um representante daquela vibração, como Ogum Beira-Mar, Ogum Rompe-Mato, Xangô Sete Pedreiras, Xangô Pedra Branca que são representantes diretos da vibração e consequentemente os outros guias, como caboclos, preto-velhos e diversas outras linhas.

Exu tem vibração própria, isso não significa que existe uma vibração cooperativa ou até mesmo cruzada com outra vibração, por exemplo, na Umbanda, existem Exus de Ogum, como por exemplo Tiriri, Tranca-Ruas, Sete Encruzilhadas, Exus de Xangô como Meia-noite, Rei das 7 Encruzilhadas e assim por diante, mas isso é uma cooperação, é a linha de Exu cooperando com a Vibração dos Orixás.

O seu Orixá traz o seu respectivo guardião para dar embasamento em sua linha e dar suporte aos seus trabalhos mediúnicos, ele é um cooperador da vibração do seu Orixá e não o escravo.

Namastê

Neófito da Luz

O Verdadeiro Mago da Umbanda – Parte I

Paz e Luz, prezados irmãos de senda.

Primeiramente vamos definir o que é magia, importante salientar que a etimologia da palavra vem da palavra persa MAGI, que significa SÁBIO. A Magia visa a manipulação das energias provenientes da natureza para um determinado fim. Visa extrair a energia oculta dos quatro elementos para que possa manipular determinados fenômenos. Ao acendermos uma vela e pedirmos ou evocarmos um espírito, já estamos realizando MAGIA.

Então já sabemos o que é magia, consequentemente um MAGO é aquele que sabe realizar a MAGIA.

É importante salientar que existem dezenas de tipos de magia, são diversas, das mais variadas formas, até as simples simpatias, são consideradas magia.

Para não me estender muito, vou colocar algumas mais conhecidas abaixo:

  • Magia Teosófica, é aquela que teve como iniciados, Papus, Eliphas Levi e Blavatsky, a Magia é dada pelo Poder do Criador, a Palavra, essa magia tem fortes raízes com o Oriente, como grande parte dos tipos de Magia;
  • Magia Enoquiana, é um mecanismo extremamente complexo, com alto grau de simbologia que visa e evocação de entidades para realização de feitos, assim como Conjuração e Alquimia;
  • Magia Wicca, hoje já é modinha novamente, é uma cultura de tradição celta, é uma religião pagã que visa o politeísmo e a prática evocatória da Natureza e Espíritos Elementais;
  • Magia Sexual, também conhecida no hinduísmo como Tantra, onde o sêmen do homem e a vulva da mulher são sagrados e é uma grande fonte de energia e evolução espiritual desde que realizada da maneira correta e regrada

Dentre outras, temos a magia musical, a cromoterápica, a alquímica, entre outras várias.

Como podem notar, a magia é extremamente dependente do elemento evocatório, para a magia ser realizada, é necessária uma Ordem, uma Força que a manipule e a transmute, migre, modifique, transforme ou execute e essa Ordem é dada através de um Mago.

Aí é onde entra várias escolas de magia, que visam misturar e mesclar todos esses mecanismos e que dizem FORMAR magos de suas escolas, em minha humilde opinião são mecanismos capitalistas de se obter renda, porque a verdadeira magia está na Teurgia, que explicarei logo a seguir.

Existe um trecho de Mateus que diz:

“Não dêem o que é sagrado aos cães, nem atirem suas pérolas aos porcos; caso contrário, estes as pisarão e, aqueles, voltando-se contra vocês, os despedaçarão”.
Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta.
Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta.
Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra?
Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra?”

O primeiro parágrafo significa não dar o que é sagrado a qualquer um, ou seja, Magia é conhecimento iniciático, é necessário estudo aprofundado para manipulação e transmutação de elementos naturais, caso vocês não possuam tal conhecimento e o use de forma inadequada ou mal ensinada, se voltará contra você.  Ou seja, cuidado com certos cursos e propagandas que te torna mago em apenas alguns dias.

Também podemos perceber que fala sobre o poder do pedido, o poder da prece, todo aquele que pede e busca, encontrarás, todos o que pedem, recebem, desde que sejam sinceros em seu coração.

Várias Escolas Iniciáticas, Antigas Fraternidades são veementes nesse processo, e no que me foi ensinado, depois da Vontade, do Poder do Pensamento, vem o Verbo, você verbalizar aquilo que quer, seja por oração, seja por devoção, seja por adoração, ou seja, antes de praticar a magia com qualquer elemento natural, temos que ter a firmeza de cabeça, a firmeza de pensamento e posteriormente proferir verbalmente ao Universo, qualquer magia ocorre dessa maneira e não é diferente, seja para conjurar, seja para um olho gordo, seja para dirigir um olhar de inveja, existe a Vontade Antes de tudo e posteriormente o Verbo, antes de acender a vela, antes mesmo de incorporar qualquer guia. É a Vontade, e eu sempre digo, que a Vontade é a manifestação Divina no seu Consciente. Há um antigo ditado nos templos shaolins que dizem: “Não existe não consigo, existe não quero, e o querer é poder”.

Então, indubitalvemente não existe um bom mago, se não conhece a Teurgia, que demonstrarei o conceito abaixo:

Teurgia é um termo antigo utilizado para nomear uma arte bastante sutil que é baseada no aprimoramento das condições da nossa mente para nos sintonizar ao nosso interior, ao nosso inconsciente e, consequentemente aos planos mais sutis de nossa consciência e do Plano Espiritual. A palavra Teurgia, que tem origem grega, significa “obra divina”. A prática da Teurgia consiste em um conjunto de conhecimentos que fazem parte de um contexto maior conhecido como Ciência Sagrada. Sua prática se baseia no estudo e utilização de símbolos e rituais, na visualização criativa, no uso da vontade, do amor e dos poderes criativos da nossa mente (concentração, percepção e serenidade).

Não seria os símbolos, rituais, visualização criativa (Firmar a cabeça) ou até mesmo o que presenciamos no filme “O Segredo”, a arte de visualizar para se materializar? Não seria o uso da vontade, do amor e da concentração fundamentos indispensáveis para um médium dentro da Umbanda? Dentro do Esoterismo ou dentro do Espiritismo em Geral?

Então, meus caros irmãos, sem a teurgia não se tem nada, ela que determina a Força de Vontade, o direcionamento da Magia, o amor, a verbalização do que propomos, a oração, a reza dos Salmos, então não adianta você se formar como mago dos 1500 elementos se não possuem o básico, e isso, só um Iniciado possui, é necessário praticar incessantemente a teurgia para ser um bom mago,  não adianta você comprar um livro sobre as 5000 ervas do mundo se não tem a Vontade, a Verbalização, a Força. É o mesmo que dar um carro de 2.000.000 para um recém nascido dirigir.

É algo que sempre friso a vocês no blog, a Firmeza de Cabeça, a Força de Vontade é tudo para um trabalho bem executado, e isso não será um curso de 30 dias que vai te ensinar e sim seus estudos, suas práticas, sua diligência, a prática diária do amor, da evocação da Fé, da Vontade e do Amor ao Próximo, o curso é a ponta do iceberg, mas sem esses elementos, nunca chegarão em sua verdadeira profundidade.

Procurem saber sobre práticas teúrgicas, que muitas vezes são muito mais eficientes que trabalhos complexos de magia, aqueles ebós de mais de R$ 2000,00, a própria mão do sacerdote que é paga, os diversos cursos que gastam, a Umbanda, como qualquer prática mágica e espiritual, ela é simples, a iniciação, o aprendizado é custoso, irrefutavelmente, muito caro, mas a prática, a liturgia em si é simples.

Outra coisa que temos que nos atentar, é a diversidade de superstições e paradoxos dentro da Umbanda, por exemplo, acenda a vela pro seu anjo da guarda na altura do ombro, acima ou abaixo, ele pode não aceitar a vela.  Uma outra coisa muito falada dentro dos terreiros é acender vela ao Orixá porque ele precisa de Luz. Então são certas superstições dentro do âmbito magístico dentro dos terreiros que temos que nos atentar.

Tomem cuidado que existe muita ignorância, até mesmo muito circo em cima dos fundamentos magísticos de centros, entrar em terreiro com o pé direito pra não dar quizila, mulher não poder tocar atabaque menstruada porque é uma afronta aos orixás.

Tudo meus irmãos, depende única e exclusivamente da Vontade, porque em muitas casas, Ogum aceita o vermelho e branco, outras o azul, outras o verde e outras até o branco, existem regras de cores dentro de vários centros, cada centro tem a sua característica peculiar, como culto aos dias da semana, dias do mês, cores de orixás, formas de liturgia, porque mesmo com essa grande diversidade, tudo funciona? Uma casa fala que dá problema acender azul pra ogum, outras dizem que tem que ser o vermelho e branco, outras dá o inhame, outras dá apenas a cerveja e no final, tudo dá certo, por que?

Simples: Força de Vontade e Verbalização.

Até mesmo se você mentalizar muito forte um tipo de quizila, ela pode se tornar real, porque o poder de seu Pensamento é o que direciona os seus caminhos espirituais e consequentemente, as vias energéticas do seu plano espiritual.

Apenas reflitam sobre isso.

Simplicidade é tudo, aliado a um determinado conhecimento, ao seu Poder Pessoal de Pensamento junto com a Verbalização do que você necessita, você pode chegar longe, com ou sem oferendas, com ou sem vela.

O grande problema é que nós ainda precisamos potencializar materialmente nossa energia, é onde acendemos as velas, os incensos, colocamos um copo  d’agua para outras coisas, defumamos a casa, são apenas elementos potencializadores de energia, da qual é oriunda única e exclusivamente do seu plano mental, ou seja, da sua Força de Vontade.

Então, prezados companheiros de senda, o verdadeiro Mago é aquele que consegue traduzir sua vontade em prol dos outros, e quanto maior a sua força de vontade, mais força será direcionada à graça solicitada. Então, mesmo vocês com os mentores na matéria, mande boas energias, mentalize a Energia Divina, direcione seus melhores pensamentos àquele necessitado que, sem dúvidas, o seu poder e o poder da sua comunicação aumentará em dezenas de vezes, até chegar o momento de não precisar “incorporar”,  ou seja, do auxílio do seu mentor.

Antes de qualquer coisa, antes de entender de fato a teurgia, não se apegue tanto a elementais. Por enquanto, se apeguem ao poder de materializar aquilo que desejam, apenas com a Vontade, o Amor e o Verbo.

Namastê.

Neófito da Luz.

 

Optcha Linha de Ciganos

Extraído do blog Fato e Farsa

Saudações Fraternais prezados irmãos.

Eu particularmente acho que demorei muito opinar sobre essa linha, mesmo porque, um dos meus mentores de firmeza, Sr. Ramirez, é um cigano. Então, vamos esmiuçar um pouco sobre essa linha tão pouco cultuada e conhecida dentro dos trabalhos umbandistas.

Sabemos que cigano, vem do espanhol gitano que é onde muitas pessoas atribuem sua origem, mas se formos estudar a fundo, os romani ou rom como são chamados no Leste Europeu tem seu próprio idioma e é um dialeto muito parecido com o hindi, dos indianos, o que faz com que muitos historiadores acreditem que sua origem é indo-ariana, ou seja, na região da India.

A história cigana é muito controversa por muitos historiadores justamente por não haver escrita sobre a história, sobre sua origem propriamente dita, mas sabe-se que foi um povo muito perseguido e que foram obrigados a migrar para vários lugares, por muitos países, eram considerados vagabundos e delinquentes e foram perseguidos juntos com judeus, árabes, entre outros povos que sofriam preconceito na Idade Média.

Mas deixando um pouco a aula de história e partindo para o que importa, é um povo que sempre acreditou em vida após a morte, sempre teve uma crença forte na vida espiritual, muitos que seguiam os princípios a risca, eram bem sucedidos em seus negócios, hoje, cigano tem uma conotação ruim porque muitos que destoaram a cultura cigana, vivem hoje como pedintes, estelionatários e até mesmo enganadores, é muito presenciado esse povo no centro de São Paulo. Mas é importante salientar que toda etnia tem também o seu lado ruim, é o mesmo que dizer que todo judeu é “mão-de-vaca”, essa generalização enraizada em nossa cultura é que traz certos desafetos para algo que nem conhecemos.

O cigano para qual eu sirvo, é marroquino, ele fala enrolado, com um sotaque meio árabe, meio espanhol, mas é bem compreensível o que ele tenta passar, ele contou a história que sua cultura é muito mais árabe que cigana, justamente pela sua criação, mas como é importante ao seu povo, sempre é passado aos descendentes a cultura e costumes, assim como a passagem para a idade adulta através do punhal, entre outros costumes.

Os ciganos se diferem bastante um dos outros, uns falam castelhano, outros espanhol, outros até mesmo o português, muitos acham que ciganos não falam português, mas como eu já disse em um post, qual a utilidade de vir uma entidade que não fala nosso idioma? Não faz sentido, correto?

Uns usam bandanas, outros apenas faixas, uns amarram para o lado, outros amarram para trás, uns amarram fitas nos braços, outros não, é importante salientar que não há uma grande diferença de roupagens entre eles.

Seus elementos de trabalho também são dos mais variados, desde mel, vinho, velas, moedas, fitas até trabalho com coco, bambu, entre outros artefatos que muitos não atribuem a essas linhas.

Geralmente usam cores alegres e fortes, seus trabalhos são realizados com muita festa e alegria, já vi casas que temem a chegada de ciganos e não ter frutas para eles, mais uma vez gostaria de contestar essas atitudes de mentores nervosos ou que ficam furiosos quando não tem o que gostam, isso pra mim só pode ser três coisas:

-       Vaidade do Medium;

-       Ignorância do Medium, causando animismo durante seu processo de incorporação;

-       O Medium não incorporou um espírito de luz, seja cigano ou não.

São espíritos que gostam muito de frutas, já vi ciganos comerem maçãs, peras, mangas, no meu caso isso nunca aconteceu, não me lembro de nenhum mentor meu colocar algo sólido em minha boca, sempre foram bebidas e somente isso.

Os cultos aos ciganos também variam demais nas casas, o meu me instruiu a descansar os atabaques e colocar músicas ciganas, já vi casas onde cultuam ciganos com dança flamenca, o que eu achei sensacional, os ciganos deram um show no terreiro, confesso que encheu os olhos, aquela beleza, aquela cultura cigana fazendo presente no centro realmente é de dar orgulho, pena que ao consultar as entidades elas não tinha permissão para falar nada, acho que a função deles era só virem para dançar.

Eu particularmente gosto demais dessa linha, pela cultura e pelos fundamentos que trazem, e uma das minhas grandes experiências com firmeza de incorporação foi com cigano, tanto em minha matéria, quanto quando fui fazer consulta, sempre firmes, direto ao ponto e sábios.

Geralmente bebem vinho tinto ou branco, mas já presenciei ciganos tomando cerveja, rum batidas. Gostam de frutas em suas oferendas, muita vela, as fitas coloridas, alguns fumam charutos, outros cigarrilhas, as ciganas aceitam muitas flores também.

Já vi um cigano incorporado de forma sensacional que jogava baralho cigano na casa, foi muito boa a experiência também, é um tipo de linha que trabalha com muitos artefatos, como adagas, punhais, baralho, é uma linha que se o médium não tomar cuidado pra trabalhar, vai ostentar muita luxuria, há um limite entre necessidade de trabalho e enfeite, então é esse limite que devemos nos atentar.

Normalmente se comemora seu dia em 24 de maio, que é o dia de Santa Sara Kali, a padroeira dos roma (rom / ciganos).  Conhecida também como a Princesa da Beleza Negra, existem algumas histórias sobre ela, mas não é o escopo do post.

Outro grande equívoco, é achar que todos os ciganos foram milionários, ricos, donos de vasta fortuna, muito cuidado com isso, isso é uma armadilha para a vaidade do médium, eu mesmo já vi ciganos plasmados de formas muito simples, porém eficazes nos seus trabalhos de consulta e magia.

É uma linha muito evocada para trabalhos de prosperidade, emprego e dinheiro, pois como muitos o chamam, os donos do ouro.

Importante salientar que é uma linha que requer um preparo diferenciado do médium, por trabalhar de forma peculiar e particular de outras egrégoras da Umbanda, carregam sua cultura, seu conhecimento mágico e sua forma peculiar de trabalho. Atualmente é mais que um povo, é uma cultura muito forte em diversos países do mundo, existem várias festas e cultos relacionados ao Povo Cigano e vale a pena conferir alguns deles.

Muitos ciganos também atuam na esquerda, desmanchando demandas, por eu ser um médium de cura, também achei que o Ramirez que é um dos que eu sirvo, teria a mesma função, mas não é o caso, o negócio dele era mais emprego e limpeza.

Importante salientar que linha de ciganos é uma coisa e linha do Oriente é outra, alguns ciganos podem vir cruzados sim com fundamentos Orientais, mas não é oriundo da Linha do Oriente, assim como existem caboclos que cruzam com o Oriente e são caboclos.

Sua saudação é OPTCHA, muitos terreiros também saudam como “Saravá o Povo da Rua” justamente por ciganos não terem moradia fixa, o que também não é uma Verdade Absoluta, muitos tiveram raízes estabelecidas em moradias fixas bem como sua família.

É uma linha muito aberta, diferente de caboclos que eram constituído de índios e o povo da mata, ciganos são muito heterogêneos, claros ou escuros, até mesmo negros, sua roupagem varia demais também, cetim, veludo, seda ou até mesmo panos mais simples, seus fundamentos também são vários, além dos citados como punhais, adagas, alguns ainda solicitam como meios de trabalho, os leques, pandeiros, instrumentos de corda, punhais, faixas, é uma linha que não existem muitas regras pré-estabelecidas.

Mais algumas curiosidades: http://fatoefarsa.blogspot.com.br/2012/12/consideracoes-sobre-os-ciganos-voce.html

Namastê

 

Neófito.

Orixá de Cabeça

Extraído da Página: Estrela da Manhã

Saudações Fraternais aos Irmãos de Fé.

Me chegam muitas dúvidas sobre o desespero de descobrirem que é o Orixá de cabeça, decidi fazer essa síntese, apenas um resumo básico sobre o assunto.

A primeira é sobre o Orixá de cabeça, a Nossa Vibração Original, a Vibração Regente que viemos para esse orbe, importante salientar que Orixá pra mim nada tem a ver com o antropomorfismo de Orixá que perdeu a mulher, que traiu, que apanhou, entre outras lendas, nem seres que viveram na Terra e sofreram e depois se encantaram, pra mim é o nome da Vibração, essas lendas talvez sejam apenas alegorias que auxiliassem aos adeptos a entender  certas ideias, são arquétipos, nada mais que isso.

O Orixá é a sua Vibração, conhecendo-o, você automaticamente saberá qual é sua missão na Umbanda e consequentemente em sua vida, muitos filhos, inclusive eu, fica tomado pela ansiedade de descobrir quem é o Orixá Regente, sobre suas histórias, seus feitos, suas características, isso é extremamente natural, mas como já dizia um grande Mestre há milhares de anos atrás, em Verdade Vós Digo: Isso é relativamente indiferente.

Explicarei a todos porque, sei que muitos filhos aqui que já jogaram búzios com mais de uma pessoa, que já foram em mais de uma casa, grande parte teve respostas diferentes de seu orixá de frente, ou comumente falado na Umbanda, seu pai e mãe de cabeça, em uma casa você é filho de Oxóssi, em outra, é filho de Ogum e faz toda aquela salada em nossa cabeça.

Na minha vida mediúnica praticamente toda, sempre respondia Ogum em meu ori, como dizem no candomblé ou umbanda traçada, toda vez que um ifá era consultado ou um sacerdote vinha falar, sem dúvidas, vinha Ogum e ponto final, algumas vezes arriscaram Oxalá, mas 95% dos casos, era Ogum.

Isso pode ser compreendido de algumas formas, primeiramente, dentro de uma visão antropomorfista e bem preferida por muitos adeptos:

-       Ogum tomou a frente porque é um dos meus pais, é o meu padrinho de cabeça, é aquele Orixá que tem muita afinidade por mim e consequentemente, quer tomar a frente, mas por puro amor. Essa é uma das compreensões!

-       A outra, e sem querer fazer média, a que eu mais abomino é: Estão brigando pela sua cabeça, há uma Guerra em seu Ori, uma disputa de Orixás. Aí é onde me pergunto: Quem sou eu, um pedaço de carne podre, errante, e um Ser Celestial, que supostamente já alcançou a Evolução brigarem por mim! Irmãozinhos, é muita presunção, não? Aí eles não se decidem e ficam brigando pela minha cabeça. Minha modesta opinião é que se um sacerdote sabe mesmo o que fala, não vai ficar caindo toda hora um orixá diferente em sua cabeça;

-       Existe uma outra interpretação, uma das que eu mais acredito é o fato de você carregar algumas vibrações em seu Ori, claro, cada momento de nossa vida ou até mesmo dentro do mesmo ano, somos regidos por diferentes vibrações, uma época estamos mais calmos, na outra mais agitados, uma época dá tudo certo e na outra, as coisas começam a dar errado, então, temos sim a nossa vibração, o nosso Orixá de cabeça, mas indubitavelmente ele não rege a todo momento, isso é uma visão prática, eventualmente somos regidos por outros, algumas pessoas mais, outras, menos vezes ou até por menos vibrações, isso tudo depende de qual missão estratégica na terra ela terá. Entendo eu que toda casa que caía Ogum, é porque além de eu estar sob essa irradiação naquele momento, a casa em questão precisava dos meus guias sob a Égide de Ogum, para trazer vitórias, vencer demandas, para trazer o espírito de luta a mim e aos filhos que estavam na casa, bem como os assistentes que me procuravam.

Então, para descobrirem seus orixás de cabeça, isso virá com o tempo, eu descobri que era Xangô, pq sentia isso no íntimo, e ainda vou mais longe, nem sabia como Xangô vinha em Terra, durante um trabalho, me deu vontade de fechar as duas mãos, cruzar os braços e gritar, KIOOOO e depois gritar um KAOO bem forte, perguntando à minha madrinha na época, ela disse: Isso é Xangô meu filho. E posteriormente, alguns anos depois, um sacerdote que jogava muito bem me disse: Filho, podem te dar Ogum a vida toda, mas quem rege sua cabeça é Xangô, Ogum é o seu parceiro, o seu padrinho, o seu irmão, mas seu pai mesmo é Xangô.

E queridos irmãos, no fundo, se procurarmos bem no fundo, sabemos sim, é que devido a vários fatores, às vezes é necessário que outra vibração seja regente durante épocas da vida de vocês, eu mesmo, já senti muitas vezes Oxóssi na minha frente, e sempre vinha antes da linha de caboclos, teve realmente alguns meses de minha vida que ele “ENCARNOU” praticamente na minha cabeça, mas era pra me trazer sabedoria, abundância, prosperidade, conhecimento, o espírito da caça, do empreendedorismo, e assim vai, Orixás são vibrações da qual enviam seus representantes para nos fortalecer e nos purificar com sua energia. Também já tive grande parte da minha vida, a Irradiação de Iemanjá

Não se prendam a quem é o Orixá de cabeça, isso não vai atrapalhar a vida de vocês, é muito comum ouvirem que quando somos filho de um Orixá e somos coroados com outro, a nossa vida atrapalha, pode gerar certos problemas e até mesmo chegar a loucura, cuidado com as superstições irmãos, cuidado.  Nos dois primeiros centros que trabalhei, deitei pra Ogum, fiz todas as obrigações para Ogum, Xangô mesmo foi depois de 10 anos que fiz a obrigação para ele e não tive nenhum problema do Gênero.

Na Irradiação de Xangô, Namastê!

Neófito.

Feliz 2014

Queridos e amados irmãos, amigos de trincheira e aprendizes da Luz.

Estou aqui para desejar a todos nós um excelente 2014, que ele venha munido de reflexões, paz, luz e esclarecimentos, que seja o ano que a Centelha Divina possa abrasar nossos corações e que nossa Chama Divina Interna possa acender para todo o Cósmico, que seja um ano de alegrias, de boa colheita e de maturidade mental e espiritual.

Esse é o meu simples desejo a todos os irmãos que lêem esse blog, aos amigos que fiz aqui e para os que ainda lerão.

Namastê.

Neófito da Luz